capa.jpg

Biff Byford, a icônica voz do Saxon

Atualizado: 21 de fev.

O Rock Mania acaba de entrevistar uma das maiores vozes do Rock mundial: Biff Byford, vocalista da lendária banda britânica Saxon. Confira!



Wander Verch- Olá, Biff Byford! O Saxon acaba de lançar o álbum "Carpe Diem". O que as pessoas podem encontrar neste disco? Seja bem-vindo ao Rock Mania!


Biff Byford- Olá, muito obrigado pelo seu interesse! Parece que acertamos em cheio com o "Carpe Diem". Estamos muito felizes com o retorno que temos recebido, com o álbum aparecendo em listas de vários países, em algumas delas, atingindo o topo. Eu queria que os riffs de guitarra se tornassem novamente importantes neste disco, que nos remetesse um pouco de volta aos anos 80. Os fãs devem tirar suas próprias conclusões, se gostam ou não. Eu não posso falar por eles. É um pouco mais pesado, com aquele ar de volta ao começo, mas soando como dos anos 2020. Não planejamos isso, mas acabou assim.


WV- Como foi produzir, gravar e lançar um álbum no meio de uma pandemia mundial?


BB- Foi difícil, assim como para quase todos que trabalham nesse ramo. Lançar não foi um problema, mas o fato de que não podíamos trabalhar juntos. Por outro lado, tivemos mais tempo para compor. A gravação foi feita, na sua maioria, separadamente. Por exemplo, a bateria foi gravada na Alemanha. Mas, hoje em dia, com toda a tecnologia disponível, tudo correu bem.



WV- Vamos embarcar agora na máquina do tempo do Rock Mania... O Saxon é uma verdadeira lenda do Heavy Metal, mas como tudo começou? Como foram os primeiros passos da banda?


BB- Bem, como vocês sabem, eu criei a banda por volta de 1976, com o nome de "Son Of A Bitch". Não era um nome muito apropriado, e então mudamos para Saxon. Começamos a fazer turnês, íamos com nossa van de um lado para outro, dormíamos nela. Nós realmente trabalhamos duro. Então, quando lançamos "Wheels of Steel", em 1980, chegamos ao quinto lugar nas paradas musicais do Reino Unido e sabíamos que estávamos no caminho certo. Foi ali que percebemos que poderíamos fazer sucesso. Acho que o resto é história, e se resumiu em seguirmos lançando bons discos, e fazendo turnês e mais turnês.

WV- Ao longo de todos esses anos, que momentos você considera os mais marcantes?


BB- Eu tive tantos bons momentos, não posso enumerar todos eles. Mas, posso dizer que ver os Beatles em 1963, foi muito inspirador, foi a primeira vez que pensei que eu também poderia estar em uma banda.


WV- O que significa para você criar músicas que tocam o coração das pessoas? Algumas vezes, essas músicas acabam inclusive mudando suas vidas.


BB- Simplesmente acontece. Você não senta e pensa que vai tocar o coração dos fãs. Eu apenas chego com uma ideia, cantarolando, coloco a letra e partimos dali. Se a música for aprovada por nossos fãs, não ficamos apenas honrados, isso acaba tocando os nossos corações. Assim, a gente sabe que fez a coisa certa.


WV- Em 2020, você lançou um álbum solo, "School Of Hard Knocks". Como você avalia esse álbum? Você pretende lançar um novo trabalho solo no futuro?


BB- Eu tinha algumas ideias e muitos amigos que queriam fazer isso comigo. A maioria das letras são sobre mim e minha vida. Eu pude fazer músicas sobre mim, sobre como eu me sentia, ao invés do que o Saxon sentia. Basicamente, as músicas de “School Of Hard Knocks” são mais conectadas a mim - onde eu fui criado e todas essas coisas. Eu creio que não terei tempo de lançar outro disco solo em um futuro próximo, pois parece que a turnê está começando novamente e estaremos muito ocupados.



WV- O que você gosta de fazer quando não está envolvido com a música? Você tem algum hobby?


BB- Eu aproveito a vida com minha família, faço longas caminhadas com o cachorro, ando de bicicleta - apenas relaxo e faço algo por mim. Tento manter a forma e ficar o mais saudável possível.

WV- Se você pudesse fazer parte de qualquer banda na história da música, qual seria e por quê?


BB- Eu não tenho certeza, mas talvez no Yes, em seus áureos tempos no Rock Progressivo. Eu nunca pensei sobre isso, eu gosto do jeito que está. Tenho orgulho do Saxon ser minha banda e de continuar na ativa.


WV- Outra pergunta imaginária: se você pudesse ter algum superpoder, qual seria e por quê?


BB- Naturalmente, seria curar o mundo e proporcionar a paz. Ah, e com certeza, tirar essa pandemia do caminho.


WV- Biff, você tem um sonho?


BB- Manter-me saudável e em forma. Eu e minha família, sempre em boa forma, para que eu possa viver a vida que estou vivendo.


WV- Você é uma grande influência para muitos músicos ao redor do mundo. Você teria algum conselho para dar a eles?


BB- Nunca se rendam, aproveitem o dia e sigam os seus sonhos!


WV- A partir de agora, quais são seus próximos passos? Você já tem uma turnê "Carpe Diem" em mente? Quem sabe, tocar no Brasil...


BB- Eu não sei sobre o Brasil, nosso agente está marcando as datas. Mas sim, a turnê "Carpe Diem" está chegando. Acabamos de anunciar as primeiras datas para o outono europeu. Espero que a turnê se estenda e possamos tocar para todos aqueles que queiram nos ver novamente.



WV- Biff Byford, muito obrigado pela entrevista! O Rock Mania fica sempre à disposição!


BB- Muito Obrigado, Rock Mania! Obrigado pelo seu apoio! Nós amamos o público brasileiro, tão louco, acolhedor e que adora a nossa música. Nós amamos vocês! O que mais eu poderia dizer?


Entrevista realizada em 16 de fevereiro de 2022


138 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo